Sexta-Feira , 18 Janeiro 2019
0
0
0
s2sdefault

A Casa do Benin, um dos mais importantes espaços de propagação da cultura afro na Bahia, será entregue reformado pela Prefeitura de Salvador nesta quarta-feira (03), a partir das 19h. O espaço passou por intervenções iniciadas em maio e ganhou sinalização especifica do acervo e dos ambientes, além de diversas novidades na funcionalidade da casa. As obras foram capitaneadas pela Fundação Gregótio de Mattos (FGM), que realizou a recuperação do reboco, azulejo e piso, reabilitação das estruturas de concreto atingidas por oxidação, tabuado de madeira, alvenaria aparente, grades e balcões, entre outras melhorias.

Para a inauguração, o prefeito ACM Neto, juntamente com o secretário de Desenvolvimento, Turismo e Cultura, Guilherme Bellintani, e o presidente da FGM, Fernando Guerreiro, farão as honras da casa, apresentando a nova estrutura e explicando como será utilizado o espaço de agora em diante. Também confirmaram presença na reabertura o embaixador e o cônsul do Benin, Izidore Monsi e Marcelo Sacramento, respectivamente.

O grupo Coletivo de Tambores fará uma apresentação na área externa da Casa do Benin, recepcionando os convidados. Em seguida, o grupo Aspiral do Reggae se apresentará no pátio interno, assim como Dão Anderson, que encerra a programação de reinauguração.

Vale destacar que o térreo da Casa do Benin contará com uma exposição permanente com obras catalogadas pelo antropólogo e fotografo francês Pierre Verger. Os outros dois andares do prédio serão dedicados a exposições itinerantes. Já no dia da reinauguração, acontece a mostra: "A Casa do Benin no Olhar do Artista do Pelourinho", que fica em cartaz até o dia 3 de fevereiro. Para a realização dessa mostra, a FGM convidou Frank Bahia, morador do Pelourinho e também artista, para fazer a curadoria que selecionou artistas e moradores da área.

Para lembrar - A Casa do Benin foi inaugurada no ano de 1988 e é resultado de um intercâmbio cultural entre a Bahia e o Benin, de onde veio um grande número de negros que foram escravizados no Brasil. O espaço fica em um Casarão do Centro Histórico, na Rua Padre Agostinho Gomes, número 17, no Pelourinho (próximo ao Corpo de Bombeiros).

0
0
0
s2sdefault