Segunda-Feira , 18 Dezembro 2017

 

Duzentos alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Salvador (Unifacs) integrarão, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), um projeto de pesquisa no âmbito do programa Salvador 360, que pretende impulsionar a economia soteropolitana nos próximos quatro anos. As ações iniciais serão centralizadas no primeiro eixo, denominado Simplifica, e o objetivo é criar um banco de dados do sistema de georreferenciamento para fins de consultas relacionadas ao ordenamento e uso do solo do município. Por conta disso, os resultados do trabalho conjunto terão alicerce no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU), na Lei do Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo (Louos) e no novo Código de Obras da capital baiana.

 

Atualmente, as plantas urbanísticas de Salvador são disponibilizadas essencialmente em meio físico. Com o georreferenciamento, todo esse material passará a ter um equivalente digital e será disponibilizado em uma plataforma prática e completamente interativa. "Da forma como as coisas são realizadas até agora, há uma demora muito grande entre o momento em que o cidadão dá entrada com algum pedido junto à Sedur e o tempo para que seja emitida uma resposta, pois demanda deslocamento de pessoal e tempo para pesquisa para cada item solicitado. Com a modernização - que parte do conceito de cidade inteligente, marcada pelo ponto de vista virtual -, será possível, entre outras ações, o cruzamento de dados, poupando tempo referente às respostas das demandas do cidadão", detalha Jealva Fonseca, gerente de Licenciamento da Sedur.

 

Dessa forma, o trabalho é simplificado nas duas pontas do processo: cidadão e poder público, garantindo acesso total do mapa de Salvador, com informações georreferenciadas com o destacamento dos lotes, situação legal e do ponto de vista econômico, contendo informações corretas que podem ser alteradas em tempo real, de acordo com as mudanças que forem ocorrendo, sempre em constante atualização. Todo o processo, desde o treinamento até a finalização dos dados obtidos, será comandado pela Sedur, que também irá catalogar, revisar e preservar a base cartográfica do município.

 

Com isso, os cidadãos terão instantaneamente acesso a atualização das verificações legais, desapropriações, reintegração, invasão de propriedade, uso indevido de áreas públicas, privadas ou de preservação ambiental. “Além disso, essa parceria com a universidade é mais uma forma da Prefeitura se manter próxima aos profissionais que, num futuro próximo, serão os principais responsáveis técnicos pelos projetos e obras que impactarão no licenciamento e nas intervenções urbanísticas da capital baiana", finaliza Jealva Fonseca.

 

Os envolvidos atuarão em quatro turmas compostas por 50 membros. A seleção abrange estudantes do Campus Tancredo Neves e deve ser finalizada em meados de setembro. Os universitários selecionados passarão por treinamento específico e atuarão de forma voluntária no projeto. De acordo com a coordenação do curso, também responsável pela capacitação dos participantes, o tempo de trabalho será equivalente ao calendário de aulas da Unifacs e a atividade valerá como estágio extracurricular.

 

"Este trabalho é importante para os alunos e para a sociedade. Para eles, é uma forma de contribuir com o desenvolvimento da cidade. Para o município de Salvador, é uma forma de manter uma base de dados a respeito do trato com o solo da capital, realizando um loteamento da cidade de forma a agilizar os processos referentes à construção de equipamentos, seja para uso comercial, residencial ou industrial. Com a base de dados consolidada, um cidadão que precisar construir saberá exatamente, e em um prazo curto de tempo, em geral 48 horas, o que precisará para acelerar os processos junto à Sedur", explica Lucas Baisch, professor e coordenador do projeto pela Unifacs.