Sábado , 28 Março 2020
0
0
0
s2sdefault

Foto: Jefferson Peixoto - SECOM

A discussão de propostas preliminares para reabilitação da Ladeira da Misericórdia, no Centro Histórico de Salvador, marcou a realização da mesa redonda promovida pela Prefeitura na segunda-feira (10), na Casa dos Sete Candeeiros, no Centro. Estiveram presentes no debate a presidente da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), Tânia Scofield, e a a diretora de planejamento da autarquia, Beatriz Cerqueira; o professor da Faculdade de Arquitetura da UFBA (Faufba), Nivaldo Andrade; e um grupo composto por 11 estudantes do Estúdio de Design de Pós-Graduação da Escola de Arquitetura da Universidade de Yale (EUA).

Na ocasião, foram abordados assuntos como o Centro Antigo e os investimentos municipais; a produção de Lina Bo Bardi em Salvador, incluindo o projeto Coaty – criação da arquiteta ítalo-brasileira e do baiano João Filgueiras Limas, o Lelé – e a gestão do espaço. Elementos culturais de Salvador como a culinária, a capoeira e a música foram utilizados pelos estudantes norte-americanos para propor ideias à região.

De acordo com a presidente da FMLF, o encontro é uma troca de experiências muito importante para a cidade. “É uma universidade dos Estados Unidos com um olhar para Salvador, estudantes pensando no nosso Centro Histórico, evidenciando a obra Lina Bo Bardi e a Ladeira da Misericórdia. Esse é um exemplo do trabalho que a Prefeitura tem realizado e repercutido no Brasil e no mundo, trabalhando na cidade de forma responsável com planejamento e propostas de projetos, atraindo atenção de fora para ajudar a pensar e resolver algumas questões aqui”, afirmou Tânia Scofield.

A professora de Arquitetura da Universidade de Yale, Norma Barbacci, explicou que o interesse dos alunos foi motivado pelo estudo que estão fazendo sobre o trabalho de Lina Bo Bardi nos anos 1980. “Eles passaram pela proposta piloto de criar um projeto para revitalizar o Centro Histórico e tentar resolver questões, abordando a comunicação e elementos culturais da cidade. Essa troca de informações está sendo essencial para eles”, contou.

Para o professor Nivaldo Andrade, as ideias podem guiar ações da Prefeitura. “Esse intercâmbio é importante, principalmente numa área como essa que foi objeto de uma intervenção feita por uma arquiteta estrangeira”, pontuou.

0
0
0
s2sdefault