Segunda-Feira , 16 Setembro 2019
0
0
0
s2sdefault

Foto: Bruno Concha - SECOM

O projeto de requalificação do trecho da orla que compreende as praias de Stella Maris, Praia do Flamengo e Ipitanga foi discutido entre representantes da Prefeitura, moradores e lideranças de diversas associações e entidades de Salvador, nesta terça-feira (10). A audiência durou a manhã inteira e reuniu 125 pessoas no Catussaba Business Hotel, em Stella Maris.

Na ocasião, a arquiteta Nise Cartaxo apresentou todos os detalhes do projeto de requalificação, que será dividida em três trechos, sendo o primeiro deles envolvendo a orla de Stella Maris. O projeto arquitetônico e ambiental foi desenvolvido pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF) com o objetivo de levar melhorias à região, que há muito tempo pleiteia por uma grande intervenção desse tipo.

A mesa da audiência contou com a presença da presidente da FMLF, Tânia Scofield, do gerente de obras e projetos do Programa do Desenvolvimento do Turismo (Prodetur) de Salvador, Alberto Azevedo Júnior, dos vereadores Marcos Mendes e Aladilce Souza (PCdoB) e do arquiteto e urbanista Carl Von Hauenschild.

Para Tânia Scofield a audiência foi proveitosa e trouxe questões importantes. “A gente já vem discutindo o projeto desde setembro de 2014. Fizemos algumas oficinas e o projeto foi construído com a comunidade. Nós tivemos em torno de 300 pessoas por oficina. Agora que as obras estão perto de serem licitadas, foi importante fazer essa audiência, até para atender àquelas pessoas que não participaram das oficinas iniciais”.

Elogio - No debate que se seguiu, após as apresentações, a moradora e empresária Renata Prosépio elogiou o projeto e defendeu o início das obras. “Eu fico contente com a iniciativa da Prefeitura. A cidade vai crescendo e vão surgindo problemas com o a insegurança e desordenamento. Então, o reordenamento básico que a fundação está fazendo na cidade inteira é absolutamente fundamental”, opinou.

Ela citou como exemplo as melhorias que ocorreram após as obras de Piatã e Itapuã. “Na frente do Farol de Itapuã, nós fazíamos reunião com os moradores e as pessoas diziam que não conseguiam mais dormir porque havia uma muvuca de carros com o porta-malas aberto e com o som alto, os paredões. Com a requalificação do Farol e do estacionamento de Piatã, a situação mudou e melhorou também a segurança, até porque o local ficou mais iluminado”, contou.

Intervenção – A previsão é que as obras de requalificação das orlas de Stella Maris, Flamengo e Ipitanga durem 18 meses a partir do início. O investimento será de aproximadamente R$ 41 milhões, com recursos do Prodetur.

O projeto prevê a mínima interferência na morfologia natural da área, garantindo a acessibilidade às áreas públicas e às praias, além do respeito ao meio ambiente e preservação das dunas do local. A requalificação contemplará a urbanização, infraestrutura urbana, iluminação pública e equipamentos urbanos, além de requalificação ambiental e tratamento paisagístico ao longo da área de intervenção.

Ao todo, serão 4,7 km de extensão e 400 mil m² de área de obras, incluindo uma parte da faixa de orla marítima e as ruas de acesso às praias. A intervenção será iniciada na Rua Professor Carlos Ott, na praia de Stella Maris, e seguirá até o limite com a Rua Santo Antônio de Ipitanga, na praia de Ipitanga, próximo ao kartódromo.

A praias receberão equipamentos como ciclovia, quadras esportivas, espaços de convivência, trilhas temáticas, pista de skate, espaço para piquenique, banheiros, quiosques e postos de salva-vidas, que se adequarão às especificidades de cada trecho. No trecho de Stella Maris, por exemplo, além dos equipamentos comuns, haverá um centro de apoio a surfistas, em atendimento a uma demanda da região.

0
0
0
s2sdefault