Quinta-Feira , 17 Outubro 2019
0
0
0
s2sdefault

Fotos: Jefferson Peixoto/Secom

Cada vez mais atenta com a inclusão da pessoa com deficiência no serviço público, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), promove mais um curso de Libras, desta vez no Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência (Comped), na Avenida Joana Angélica. A turma é formada por 34 servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e inclui médicos, enfermeiros e agentes comunitários.

Com duração de 100 horas, distribuídas em quatro meses, os ensinamentos promovidos pela Unidade de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência (UPCD) e iniciados ontem asseguram certificação. Para obtenção do título, o participante deverá ter 80% de aproveitamento ao final da atividade. As aulas ocorrem duas vezes por semana, sempre às terças, das 14h às 17h, e quintas-feiras, das 9h às 12h.

A capacitação em Libras é feita através de apostilas, apresentações em slides, vídeos e simulações de atendimento. Durante as aulas, os servidores conhecem e praticam a linguagem de sinais, com o intuito de aperfeiçoar o atendimento. De acordo com a instrutora e coordenadora de gestão de projetos da UPCD, Luana Alencar, que deu início às aulas, essa edição do curso é bem específica e direcionada aos profissionais que trabalham com pacientes que buscam as unidades de saúde.

A atividade possui duas fases: noções de atendimento básico e conhecimentos específicos que incluiu gestos referentes a siglas, termos e vocábulos de saúde. “Nossos postos recebem surdos. Não temos como incluir, se não soubermos comunicar. Vamos trazer a vivência desses profissionais para a sala de aula e ensinar a eles como entender o que o surdo busca nossas unidades”, afirmou. De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de pessoas com surdez em Salvador passa de 10 mil habitantes.

Cuidando de gente – Nas cadeiras da frente e com olhares atentos, as agentes comunitárias da Unidade de Saúde da Família Federação, Ieda Santos, 53 anos, e Paloma Barreto, 35 anos, ressaltaram a importância em aprender a linguagem dos surdos. “É fundamental para cuidarmos melhor de quem procura os serviços de saúde do município. Além do público, temos colegas com surdez e existe uma dificuldade em estabelecer uma comunicação no ambiente de trabalho. Acredito que deveríamos aprender Libras na escola”, frisou Ieda.

Para o diretor da UPCD, Wagner Andrade, Salvador sai na frente quando acata a recomendação sugerida pelo Ministério Público da Bahia e capacita em Libras o quadro de funcionários. “Preparamos os servidores e também formamos multiplicadores. Já temos oito monitores aptos a nos ajudarem em sala de aula. Tudo isso mostra o engajamento do nosso pessoal”, destacou, lembrando que há uma turma mais adiantada, formada por 19 funcionários da Sempre, que concluirá o curso em outubro.

Mais turmas – A Prefeitura conta, atualmente, com 55 funcionários públicos que já passaram pelas aulas de Formação Básica da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e trabalham com atendimento direto ao público em órgãos como a Guarda Civil Municipal (GCM), Sempre, Transalvador, Defesa Civil, SMS e Secretaria de Política para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). A capacitação faz parte do planejamento estratégico da Prefeitura e a meta da UPCD é repassar o curso de Libras a 150 servidores até 2020.

Essa é a quinta turma de servidores que recebe as noções do aprendizado sobre a linguagem de sinais. A próxima será formada por servidores da Guarda Civil Municipal (GCM), com aulas a serem iniciadas em setembro.

 

0
0
0
s2sdefault