Sexta-Feira , 20 Setembro 2019
0
0
0
s2sdefault

Quando Luana Pinheiro, de 19 anos, concluiu o ensino médio em um colégio da rede estadual, ela sabia que teria um desafio grande pela frente a ser superado: estudar para ser aprovada em uma faculdade. Sem dinheiro sobrando, o jeito era estudar por conta própria. Isso até receber a notícia que foi selecionada para o projeto IngreSSAr, promovido pela Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). 

A jovem aproveitou a oportunidade dada pela Prefeitura para participar do curso preparatório Os Aprovados, na Avenida ACM, e estudou dia e noite até receber o resultado: foi aprovada para o curso de psicologia na Universidade do Estado da Bahia (Uneb). "Primeiramente, eu pensei em Direito, mas é muito chato. Então decidi por psicologia porque eu gosto de analisar as pessoas", conta, aos risos.

Luana tem consciência da importância do projeto IngreSSAr, que tem como objetivo ampliar acesso de jovens carentes que estejam cursando o terceiro ano do ensino médio, ou seja egresso da rede pública de ensino de 15 a 29 anos. "Ai, isso aqui é outra coisa (referindo-se ao estudo em cursinhos). O projeto é muito importante para quem não tem condição de pagar um curso", afirma. 

Na primeira edição do programa, em 2018, as instituições credenciadas foram os cursos preparatórios Os Aprovados e Pré-Enem, ambos localizados na Avenida ACM. Nesses ambientes, os alunos têm acesso à preparação para as áreas de conhecimento de Linguagens, Códigos, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática, exigidas no Enem e trabalhadas durante cinco horas de aula diária. 

Os alunos ainda puderam aderir a uma carga horária opcional de monitoria. Este tipo de preparação custa R$3 mil por estudante, em média. Luana foi uma dos 267 alunos que concluíram as atividades do Ingressar, e terminou tendo êxito ao final das aulas. Para este ano, serão disponibilizadas 800 vagas - o dobro do ano passado. As inscrições estão previstas para serem abertas após o Carnaval. 

"Mãe, corre!" - Ana Cláudia estava seguindo sua rotina normalmente, quando foi surpreendida com uma ligação da filha Luana, aos gritos: "Mãe, corre!". Ela recebeu o anúncio que tinha sido selecionada para participar do projeto IngreSSAr. "Foram meses bem legais aqui (no curso preparatório). Eles têm professores ótimos e também foi uma oportunidade para conhecer novas pessoas e fazer novas amizades", revela a jovem. 

Quando abordada pela equipe de reportagem, a mãe de Luana esbanjava agradecimento à iniciativa da Prefeitura. "Nem todo mundo, incluindo eu, tem condições de pagar um cursinho desses. Eu não tinha dinheiro para matricular ela aqui. Agradeço muito à Prefeitura", contou, enquanto dividia a atenção com a outra filha de 2 anos. 

Cidadania - Promovido pela Prefeitura por meio da SPMJ, o IngreSSAr faz parte das ações de planejamento estratégico da administração municipal. Inédita no município, a medida tem como intuito ampliar o acesso de jovens de 15 a 29 anos da capital baiana em ações afirmativas que assegurem seus direitos de cidadania e fortaleçam sua capacidade de inclusão, garantindo-lhes mais oportunidades no acesso à educação superior. 

O perfil dos beneficiados são estudantes residentes em Salvador, pertencentes à rede pública de ensino ou bolsistas integrais da rede particular, integrantes do programa Bolsa Família e com bom desempenho no ensino médio. Foram estabelecidos 5% do total de vagas ofertadas para pessoas com deficiência, 30% para negros e 5% para jovens da Fundação Cidade-Mãe (FCM). 

A iniciativa contou com duas fases: seleção dos alunos e credenciamento de instituições para realização das aulas. Na primeira edição, em 2018, cerca de 500 inscrições foram realizadas através do site da SPMJ ou presencialmente na sede da pasta, no Centro, mas apenas 356 candidatos foram classificados no critério de seleção. Foram 298 alunos matriculados, sendo que 267 concluíram o curso.

 

0
0
0
s2sdefault