Terça-Feira , 12 Novembro 2019
0
0
0
s2sdefault

Concertos, desfiles de blocos de percussão, teatro musical de rua e roda de samba, farão parte da programação deste final de semana (15 e 16) do Pelourinho Noite e Dia. O projeto, que é coordenado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Diretoria de Gestão do Centro Histórico, possibilita aos baianos e turistas desfrutarem de mais opções de lazer e entretenimento nesta região da cidade.

Os grupos Meninos da Rocinha do Pelô, Tambores e Cores, Kizumba e a Banda Didá, blocos de percussão oriundo do Centro Histórico, farão um desfile pelas ruas do Pelourinho, no sábado (15), às 17h, saindo da praça Terreiro de Jesus. Ainda no sábado, às 19h, no Largo do Pelourinho, acontecerá um teatro musical de rua sobre o escritor Jorge Amado, com trilha sonora de Gerônimo Santana. O espetáculo começa no “velório de Quincas Berro D’água” e termina no “cabaré da Zazá”. Finalizando a programação do dia, às 20h, será realizado o Viradão do Samba, com apresentações em três pontos diferentes – Praça da Sé, Largo do Pelourinho e Rua das Laranjeiras, respectivamente com o cantor Jotazo, o Grupo Bambeia e Samba de Verdade.

A programação continua no domingo (16), a partir das 11h30, na Catedral Basílica localizada no Largo Terreiro de Jesus, com a apresentação do Polo de Orquestras do Pelô (Popelô). A partir das 12h30, acontece, mais uma vez, o desfile com os grupos de percussão saindo da Praça Terreiro de Jesus.

Toda essa programação, que segue animando a região até fevereiro, faz com que as pessoas passem a frequentar mais o Centro Histórico de Salvador, estimulando o comércio e o turismo local, possibilitando geração de emprego e renda. É essa a avaliação da gerente de um dos mais tradicionais bares do Pelourinho, O Cravinho. “Ter eventos aqui no Centro Histórico, além de valorizar a nossa cultura, fortalece o nosso comércio, pois faz com que as pessoas, sejam elas baianas ou turistas, tenham mais atrativos para frequentar o espaço. Consequentemente, esse público acaba se dirigindo até as lojas, bares e restaurantes”, afirma Lucimeire Gomes.

A programação cultural, segundo a gerente, tende a aumentar ainda mais o fluxo de vendas no bar, que já apresenta maior movimentação em razão da alta estação. “É notório o crescimento do movimento aqui no bar. Tem momentos que entope de gente. É uma correria, mas conseguimos da conta de tudo”, declara Lucimeire.

Turista do Rio de Janeiro, Maria Eugênia, de 55 anos, que vem a Salvador com frequência neste período do ano, não perde a oportunidade de visitar o Centro Histórico. “Esse lugar tem uma história muito forte e que não pode ser esquecida, nem deixada de lado. Eu sei que algumas pessoas têm preconceito com o Pelourinho, e fazer eventos aqui é valorizar o local e a cultura dos baianos, além de ser importante para trazer as pessoas para cá para desfrutarem mais das belezas da Bahia”, afirma.

0
0
0
s2sdefault