Domingo , 25 Junho 2017

 

Permissionários e funcionários que atuam nos segmentos de bar, restaurante e lanchonete da Empresa Baiana de Alimentos (Ebal), no Ogunjá, receberam, nesta terça-feira (06), uma capacitação da Vigilância Sanitária de Salvador (Visa) sobre boas práticas nos procedimentos de higiene e manipulação de alimentos. O evento reuniu 25 comerciantes no auditório do estabelecimento.

 

A ação teve caráter educativo, no intuito de levar aos profissionais dicas de utilização de equipamentos e de utensílios, além de ensinamentos sobre acondicionamento de perecíveis, preparo da comida, aquisições de insumos e limpeza. “Constatamos que há estabelecimentos aqui realizando muito procedimentos errados no que se refere ao manuseio de alimentos. Daí entra a importância dessa ação, que é minimizar os riscos da saúde da população”, explica a chefe da Visa de Brotas, Sulamita Siqueira.

 

Ela pontua que dentre os erros mais comuns praticados pelos comerciantes da área, na hora de preparar o prato que chega à mesa dos consumidores, estão: falta de lavagem nas mãos e desconhecimento no controle das temperaturas para conservar os alimentos em condições adequadas. “Há um tempo de degelo, por exemplo. Um frango não pode ser tirado do congelador e colocado em um balcão para descongelar. Isso tem que ocorrer dentro de uma temperatura, dentro de um resfriamento”, observa.

 

O descuido na hora do preparo de um prato pode acarretar no consumidor uma intoxicação alimentar, pois carnes, saladas e bebidas podem estar contaminados com vírus, bactérias ou parasitas. Alguns exemplos desses agentes são Campylobacter, Salmonela e Escherichia coli.

 

Erivaldo Almeida, 51, dono do Restaurante Almeida, trabalha na área há 11 anos e achou a capacitação proveitosa. “Teve muitas dicas que aprendi. Para minha sorte, minha filha é nutricionista e me ajuda em algumas coisas. Não quer dizer que eu não estava fazendo algo errado. Não sabia, por exemplo, que uma panela amassada tende a acumular sujeira e bactérias”, revelou.

 

Cozinheira do Restaurante Tia Sônia há dois anos, Leonice Santos da Silva, 40, também promete levar o aprendizado da capacitação à cozinha. "Gostei quando explicaram sobre higiene e reutilização dos alimentos. Eu ainda não sabia identificar o tempo da carne e temperatura certa para a conservação. Aprendemos coisas que não sabemos no dia a dia, e com essa ação puder tirar as dúvidas”, confessou.

 

Nos próximos meses, fiscais da Visa percorrerão os boxes situados ao lado do mercado Cesta do Povo para realizar orientações mais específica em conformidade com as instalações sanitárias de cada comerciante. Mais quatro públicos-alvo, dos segmentos hortifruti, comércio varejista de alimentos, açougue e salão de beleza, receberão a iniciativa.