Quarta-Feira , 29 Janeiro 2020
0
0
0
s2sdefault

 

As obras de requalificação da Barra foram retomadas nesta quinta-feira (06), contemplando o trecho do Farol ao Porto da Barra e as ruas Barão de Sergy, Barão de Itapuã, Marques de Leão. A entrega das obras acontecerá em junho, antes da Copa do Mundo, como cumprimento do cronograma. Nessa fase, será realizado o aterramento dos fios de baixa tensão e telecomunicações nas ruas internas. Já a rede de alta tensão não será aterrada, mas não terá impacto visual porque estará acomodada na estrutura da iluminação pública. No trecho até o Porto da Barra, seguirá a implantação do piso compartilhado sem interdição do tráfego de veículos.

 

BARRA0603

“O aterramento da rede de alta tensão não será possível por uma limitação de espaço, medida que só seria viabilizada com desapropriações. Estamos, portanto, evitando que algumas áreas de imóveis sejam desapropriadas com a utilização da estrutura da iluminação pública. Isso não afeta, no entanto, a questão visual. No trecho até o Porto da Barra, faremos as obras sem interditar o tráfego de veículos realizando primeiro de um lado, depois do outro, evitando grandes transtornos a quem precisa passar pelo local”, explica o chefe da Casa Civil, Albérico Mascarenhas, que coordena a execução das obras.

 

REQUALIFICACAO0603

As intervenções são executadas pela Construtora Odebrecht, vencedora da licitação para elaboração do projeto básico e executivo, com investimento total de R$ 57.705.106,00. Metade dos recursos é investimento próprio da Prefeitura. O trecho entre o Barra Center e o Farol da Barra compreende a primeira etapa do projeto e foi entregue antes mesmo do Carnaval. “Durante o evento, não foi necessária qualquer medida para corrigir eventuais problemas, como estava previsto”, afirmou Mascarenhas. Ainda será instalado mobiliário urbano, paisagismo e iluminação cênica.

 

São Tomé de Paripe e Tubarão – Ganham velocidade as obras em São Tomé de Paripe e Tubarão, trechos no Subúrbio que também passam por requalificação. Em São Tomé de Paripe, já foi possível retirar mais de 400 metros do pavimento. Está sendo colocada a base de brita graduada, que dá suporte para implantação do piso compartilhado. Em Tubarão, esse processo também começou. A diferença em Tubarão é que, além do piso compartilhado, haverá também um trecho com paralelepípedo, em função do contato mais próximo com o mar. Em São Tomé de Paripe, o investimento é de R$ 3,5 milhões; em Tubarão, os recursos são da ordem de R$ 3,4 milhões.

0
0
0
s2sdefault